ADVOGADO DEIXA TELEGRAM EM MEIO A INQUÉRITO DE CAMPANHA CONTRA PL DAS FAKE NEWS

20/05/2023

O advogado Alan Thomaz não é mais o representante legal do Telegram no Brasil. Ele renunciou aos processos nesta semana, depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) abriu investigação sobre campanha lançada pelo aplicativo contra a censura PL das FAKE News (censura).

Com a decisão, a plataforma precisará indicar outro escritório para intermediar o contato com a Justiça brasileira. Em fevereiro de 2022, o STF chegou a ameaçar suspender os serviços do Telegram no país se a empresa não constituísse um canal para receber notificações judiciais no Brasil.

Procurado pelo Estadão, o escritório Campos Thomaz & Meirelles Advogados disse que “não teve e não tem relação direta com o Telegram”. A banca afirma que só prestou “serviços de assessoria jurídica”. “Solicitamos gentilmente que o nome dos sócios e advogados seja desvinculado ao Telegram”, diz a nota.

O inquérito no STF vai investigar os diretores do Telegram e “demais responsáveis” que tenham participado da campanha contra o projeto de lei. A decisão foi tomada pelo ministro Alexandre de Moraes, a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR). Moraes mandou a Polícia Federal interrogar os executivos.

O aplicativo disparou, para milhões de usuários, um manifesto contra o Projeto de Lei 2630/2020. A mensagem chamava a proposta de “desnecessária” e dizia que ela “concede poderes de censura ao governo”.

Diretores de Google também serão investigados. O buscador exibiu em sua página inicial uma mensagem de alerta contra o PL. Os usuários que clicavam no link eram direcionados para um artigo de opinião do Diretor de Relações Governamentais e Políticas Públicas do Google Brasil, Marcelo Lacerda, que acusava o texto de ‘aumentar a confusão entre o que é verdade e mentira no Brasil’. 

Please follow and like us:
0
fb-share-icon20
Tweet 20
Pin Share20
Author: amazonashoje

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *