STF INVALIDA POR UNANIMIDADE USO DA ‘LEGÍTIMA DEFESA DA HONRA’ EM FEMINICÍDIOS

01/08/2023

O Supremo Tribunal Federal (STF) considerou inconstitucional o uso da tese de legítima defesa da honra em crimes de feminicídio. Em julgamento concluído na tarde desta terça-feira (1º), a corte formou unanimidade.

Todos os ministros referendaram a medida liminar deferida pelo relator, Dias Toffoli, de que a tese contraria os princípios constitucionais da dignidade da pessoa humana, da proteção à vida e da igualdade de gênero. 

Em junho, a Corte já havia formado maioria pela inconstitucionalidade do uso do argumento. A proibição vale para a fase de investigação dos casos e para os processos que chegam ao tribunal do júri.

O uso do argumento está suspenso desde 2021, quando Toffoli concedeu cautelar durante discussão da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 779.

O procurador-geral da República, Augusto Aras, defendeu no Supremo Tribunal Federal (STF) a inconstitucionalidade do uso da tese de legítima defesa da honra para justificar a absolvição de condenados por feminicídio.

O QUE É A “LEGÍTIMA DEFESA DA HONRA”

A tese da ‘legítima defesa da honra’ era utilizada para justificar o comportamento do acusado em casos de feminicídio ou agressões contra mulher. 

O argumento era de que o assassinato ou a agressão eram aceitáveis quando a vítima supostamente ferido a honra do agressor, como em casos de traição.

No entendimento do voto do relator, confirmado pela Corte, a infidelidade se insere no âmbito ético e moral, e não há direito de agir contra ela com violência, de forma desproporcional, covarde e criminosa.

A decisão da corte é que a ‘legítima defesa da honra’ não é, tecnicamente, legítima defesa – uma das causas excludentes da ilicitude previstas no Código Penal. Ou seja, o argumento não pode excluir a configuração de um crime e afastar a aplicação da lei. 

Please follow and like us:
0
fb-share-icon20
Tweet 20
Pin Share20
Author: amazonashoje

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *